Neste artigo você vai descobrir algumas situações em que é possível aumentar a soma do cálculo do benefício para previdência social.

Devido a insegurança acerca da reforma da previdência, muitos trabalhadores estão tentando adiantar o pedido de aposentadoria para se incluir nas regras atuais da previdência social.

Por isso, em alguns casos, é possível aumentar o tempo de contribuição, garantindo o pagamento integral mais rapidamente.

Veja agora algumas situações que podem aumentar o tempo de contribuição:

AUXÍLIO-DOENÇA – O período em que o trabalhador ficou afastado recebendo auxílio-doença também conta como tempo de contribuição, desde que esteja intercalado com tempo de trabalho. (Necessário que tenha feito pelo menos um recolhimento no mês seguinte ao da suspensão do benefício).

TRABALHO INSALUBRE – O trabalhador que trabalha em locais insalubres (entende-se como local insalubre, aqueles em que o trabalhador é exposto a agentes nocivos à saúde acima dos limites legais permitidos e que afetam e causam danos à saúde, como por exemplo, exposição a ruídos, produtos químicos, locais com muito calor entre outros). Este trabalhador tem direito a aposentadoria especial, isto é, com menos tempo de contribuição. Porém, se o segurado trabalhou apenas durante um período da vida em condições insalubres, pode converter esse tempo para sua aposentadoria.

SERVIÇO MILITAR – Todo período em que o segurado esteve no serviço militar conta como tempo de contribuição. Neste caso é necessário que o trabalhador leve o certificado de alistamento ao INSS para aumentar o seu tempo de contribuição.

AÇÕES TRABALHISTAS – Se o segurado ganhou alguma ação trabalhista na qual teve o reconhecimento do vínculo empregatício ou um aumento salarial, deve-se apresentar as provas do processo para aumentar o cálculo da aposentadoria.

ESCOLAS TÉCNICAS – Ex-estudantes de escolas técnicas, industriais ou agrícolas podem contar este tempo para fins de aposentadoria. Para validar o tempo de estágio e estudo é imprescindível não ter trabalhado com carteira assinada naquele período. A decisão, valida pela instrução normativa 77 do INSS no artigo 76, determina que: “Os períodos de aprendizado profissional realizados até 16 de dezembro de 1998, data da vigência da Emenda Constitucional nº 20, de 1998, serão considerados como tempo de serviço/contribuição independentemente do momento em que o segurado venha a implementar os demais requisitos para a concessão de aposentadoria no RGPS […]”. Para aumentar o tempo de contribuição, é necessário solicitar da escola uma declaração de ex-aluno, na qual devem constar os dias efetivamente estudados.

TRABALHADOR RURAL – Quem trabalhou no campo até novembro de 1991 pode usar esse período para aumentar o tempo de contribuição. Quem trabalhou após essa data, para aumentar o tempo de contribuição é necessário pagar as contribuições retroativas.

TEMPO QUE NÃO FOI CONTABILIZADO – O trabalhador encontra mais dificuldade de aumentar o tempo de contribuição, quando exerceu a atividade laborativa e não possui o registro na carteira de trabalho. Para isso, é necessário que o trabalhador junte documentos que comprovem o período trabalhado e apresente uma justificativa no INSS.

Essas são algumas situações em que é possível garantir soma de mais meses ao cálculo do benefício.

Para conferir o seu tempo de contribuição, simular o valor do benefício e verificar se os dados estão corretos, você pode verificar no site do INSS ou procurar um advogado para lhe orientar a melhor maneira no pedido de aposentadoria.


Quer saber mais? Tem dúvidas sobre como aumentar o seu tempo de contribuição? Entre em contato pelo número (21) 96475-3513 (WhatsApp)